Na exposição de meu céu interior: o coração

Textos



QUANDO UM POETA CHORA


Nas linhas de um soneto, em que a tristeza,
chora, junto ao poeta, a própria dor,
os versos voam vagas de incerteza,
dês que o vento desvia o seu clamor.


Quando um poeta chora e tem certeza
de que seu pranto é puro dissabor,
sente o seu desencanto com clareza,
mas extravasa todo seu amor.

Há pedras perenais em seu caminho,
calando o seu querer de ser sincero.
silenciando o sal de ser sozinho.

Chora o poeta, então, o instante austero
da vida, que se vai com seu cadinho
fundindo o outonal ao primavero!!


Ruth Gentil Sivieri
Enviado por Ruth Gentil Sivieri em 01/10/2012

Música: Andre_Rieu_-_La_Veuve_Joyeuse - André Riey

Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras